sábado, 1 de junho de 2013

Sábado Especial: com muitas Sobremesas e Poesia...

Olá, tudo bem?

Para esse sábado animado, mas muito corrido, na Academia de Cozinha, te trazemos essa linda “reflexão”, do Carlos Drummond de Andrade, ao falar das maravilhosas sobremesas...

Não tem quem não goste... Impossível resistir à essas delícias, momentos e lembranças que as sobremesas nos trazem... Super mês de junho para todos nós!

Vamos lá???

                                                    As Sobremesas... Mesas...

Gelato de Manga (aqui)...
“Entre o sal e o açúcar, sempre optara por este, de sorte que o jantar consistia, no caso particular deste escriba, numa preparação do doce. Também simples os doces, mas deles se poderá dizer, sem ênfase rememorativa, que nunca mais serão provados com a mesma pasta e sabor, feitos que eram segundo velhas receitas de família, avaramente guardadas até mesmo de primas e cunhadas, a quem se queria cativar com a boa oferta de tabuleiros repletos de coisas pecadoramente gostosas, mas a quem se negava o “segredo”.

Pêra com Chocolate (aqui)...

Pondo de lado o rotineiro queijo frito com açúcar, um respeitável pudim, com seu fino lençol açucarado sobre a camada superior, assumia posição de destaque entre as demais peças. Não era pudim disso ou daquilo, com elementos discriminatórios; era simplesmente pudim, massa consistente, túrgida, enriquecida por estilhas de cidra e laranja encravadas aqui e ali. (Variante e menos prestigiosa, com qualquer coisa de protestante, e pudim de queijo). 

Sopa de Frutas Vermelhas (aqui)...

Em redor, agrupavam-se o prato de pastéis de nata, puro céu; o de “canudos”, compridos e repletos de doce de leite, e obturados por uma camada de fios de ovos; as compoteiras de cristal facetado, azul e verde, guardando os doces secos e os doces em calda (outra vez cidra e laranja, e mais figo, mamão, pêssego). A fila de compoteiras, na copa, valia por si só um poema; até vazias eram bonitas e boas de se ver, pelo que evocavam, não falando na sedução das cores. Geléia preta e trêmula, ou branca e betuminosa, de mocotó, faziam-se apreciar devidamente.
Mas a sobremesa imprevista… fica para o fim”.

Tartelette de Chocolate Amargo (aqui)...

Carlos Drummond de Andrade
 A Bolsa e a Vida, Rio de Janeiro, 1962.
E então???

O que você achou???
Essas delícias, todas já passaram aqui pelo nosso blog... Confere com a gente... Nos escreve, e conta o que você achou! Estamos começando o mês de junho e dos namorados, com o pé direito, hein?

Pannacotta com Ganache de Chocolate (aqui)...



Um forte abraço,

Chef Fábio &Equipe da Academia de Cozinha;